quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Rep. Dominicana - Parte II

A segunda situação aconteceu logo nessa primeira madrugada. Fiquei num quarto triplo com mais duas amigas. O quarto estava dividido em duas partes: na entrada havia uma cama e a seguir um espaço maior com duas camas. A Xana disse logo "eu fico já aqui, fiquem vocês lá dentro" e assim foi. Deitei-me e passado o que para mim seria muito pouco tempo, acordei ao ouvi-las conversar. O meu primeiro pensamento foi "já devem ser horas de acordar" ainda que parecesse que tinha acabado de me deitar. Na realidade, apenas tinham passado umas horas, pois se bem me lembro deviam ser umas 5 da manhã. Estava a Mónica a falar com a Xana e eu fui até lá...

Eu: O que se passa? Pensei que já estava na hora de ir para a piscina, mas ainda é cedo... (eu e as piscinas)
Xana (praticamente a dormir sentada na cama): A Mónica está a passar-se, quer ir embora...
Mónica: Isto é horrível, não aguento este clima e esta humidade!!
Eu: Estou a ver que vai ser uma longa noite...

Nisto fui ver o que ainda restava de comida na minha mala, uma vez que me apercebi de que já ninguém ia dormir mais... E lá estive eu e a Xana, quase a dormir em pé, a tentar acalmar a Mónica e a dizer que era normal não estarmos habituadas ao clima, mas que em 2 ou 3 dias o nosso organismo iria habituar-se, etc. etc. etc.

É uma realidade que assim que saímos do aeroporto para o exterior, o impacto do calor húmido foi significativo. Mas também sabemos que o nosso corpo tem a capacidade de se adaptar às diversas situações (ao fim de 2 dias já estávamos habituados).

Entretanto tivemos de abrir a porta do quarto (que dava literalmente para uma das piscinas), porque o ar condicionado não estava a funcionar. Acho que isto ajudou a que a Mónica se estivesse a passar um bocado. Entretanto amanheceu e assim se passou a primeira noite, praticamente em branco.

Na noite seguinte já não ficámos naquele quarto. Lá fomos nós com as malas atrás para outra parte do complexo, para o quarto onde estava a Carla L., já que o objectivo era ficarmos as 4 juntas. A partir daqui todas as noites foram bem dormidas, mas claro que o ar condicionado tinha de ficar ligado a noite toda.

Resumindo, a tudo nos habituamos: ao clima tropical húmido, a dormir com o a/c ligado e a acordar com uma chuvada todas as manhãs. Felizmente a parte da chuva era temporária e quando saíamos para tomar o pequeno-almoço já estava sol e o dia ficava magnífico. Quer dizer, houve uma manhã em que estivemos na piscina a chover, mas até isso teve uma certa piada :D

2 comentários:

Carla disse...

A humidade nesses países é realmente do pior. Mas é como dizes, a pessoa depois habitua-se.

E a piscina logo ali ao lado sempre ajuda.

Em caso persistência do problema, vocês só tinham de enchê-la daquelas bebidas coloridas e convenientemente alcoólicas e isso passava-lhe. Cá para mim, foi o que aconteceu. Já estou a ver aqui uma boa história para a sequela do "Sei o que fizeste o Verão passado".

Pedro Oliveira disse...

Nos açores, mais precisamente na horta, também tem umas piscinas naturais lindas. Mais lindas ficaram comigo e o pessoal a dar mergulhos e a chover. Se tiveres oportunidade dá lá um pulinho.